Blog

Iniciando um Comércio Eletrônico – Guia Completo

A Covid-19 acelerou o comércio eletrônico em 5 anos. Ao mesmo tempo, marcas tradicionais com lojas físicas estão entrando em processo de falência.

A hora de colocar sua empresa online foi ontem.

Em 2019, o comércio eletrônico tinha 14,1% de participação no mercado de varejo global; até 2023, o Statista projeta que 22% de todas as transações de varejo serão realizadas online.

Em termos de hard money, as vendas nos EUA podem totalizar mais de US$ 475 bilhões em 2024 – e isso é apenas B2C.

Neste guia para iniciantes, vamos cobrir como configurar e lançar um negócio de comércio eletrônico próspero (e à prova da Covid).

Abordaremos tudo de que você precisa para iniciar seu próprio negócio de comércio eletrônico, incluindo:

  • Como pesquisar produtos para vender online.
  • Escolhendo seu modelo de negócio de comércio eletrônico.
  • Validando sua ideia de produto.
  • Cadastrando e constituindo sua empresa.
  • Como obter seus produtos.
  • Criação de um plano de negócios .
  • Escolhendo sua plataforma de comércio eletrônico e lançando sua loja.
  • Direcionar tráfego para seu negócio de comércio eletrônico.
  • Gerando vendas e medindo resultados.

Quando terminar de ler, você saberá o que é necessário para lançar e administrar uma loja online de sucesso.

Vamos começar.

Como iniciar um negócio de comércio eletrônico (guia passo a passo)

1. Pesquise produtos para vender online.

Para ter sucesso, você precisa vender um dos dois tipos de mercadoria:

  • Um produto de alta demanda em um nicho em crescimento.
  • Um produto comoditizado de alta qualidade.

Produtos de nicho

Produtos de nicho atendem a uma base de consumidores muito específica. Em vez de uma centena de linhas de produtos diferentes, você escolhe um item de alta qualidade – talvez com várias variantes – e desenvolve uma estratégia de marketing direcionada. Por serem exclusivos e desejáveis, os produtos de nicho tendem a ter preços inelásticos e geralmente têm margens de lucro bastante altas.

Os produtos de nicho podem ser únicos (um xale de crochê ou uma peça de cerâmica feita à mão) ou pequenos lotes (bolsas de couro feitas à mão, conservas sazonais). Também podem ser empreendimentos de produto único. 

Produtos Commoditizados

Os produtos comoditizados são produtos digitais ou físicos essenciais ou de alta demanda com uma ampla base de consumidores existente. Resumindo, são coisas de que todos precisam. Em geral, os produtos comoditizados representam a maioria das vendas de comércio eletrônico B2C. Eles são comuns e a concorrência é feroz, então os varejistas eletrônicos frequentemente ajustam os preços para ficar à frente dos rivais do setor.

Todos os tipos de produtos são comoditizados: carregadores, panelas, tênis, programas de software, roupas, brinquedos infantis – você escolhe. Curiosamente, a comoditização geralmente começa com um produto genuinamente inovador, que se torna popular; outras empresas começam a imitar o produto original e estabelecem rivalidades.

Muitas start-ups de comércio eletrônico de sucesso vendem uma mistura de produtos de nicho e commodities. Seus produtos de nicho os fazem se destacar, enquanto os produtos comoditizados escolhidos a dedo adicionam volume às suas lojas online.

Como escolher seus produtos

Talvez você já tenha uma ideia completamente única – talvez você seja um inventor ou designer com um protótipo de produto funcional. Se sim, ótimo. Se não, não se preocupe; você não precisa inventar a próxima grande novidade para iniciar uma loja de comércio eletrônico de sucesso.

Em vez de se preocupar com inovações revolucionárias, pense no que os clientes desejam e no que você pode oferecer a eles.

As dicas a seguir podem ajudá-lo a ter uma ideia sólida de produto:

  • Todo problema tem uma solução: a inovação geralmente começa em casa. Você pode criar soluções comercializáveis ​​(produtos ou serviços) para resolver problemas que você encontra regularmente?
  • Encontre sua paixão: você está prestes a investir muito tempo e esforço em seu novo negócio, então precisa garantir que ele seja baseado em algo em que você possa continuar interessado.
  • Descubra o potencial da marca: a marca é vital no comércio eletrônico. Como você marcará seu produto? Quem será o seu público-alvo e como você criará comunhão com ele?
  • Prazeres culpados estão em alta: as pessoas gastam muito dinheiro nas coisas que amam. Se você conseguir explorar as paixões dos consumidores – ou vícios – com um produto forte, quase certamente construirá uma base de clientes.
  • Fique de olho nas oportunidades: os empreendedores mais bem-sucedidos procuram constantemente lacunas no mercado. Preste atenção às mudanças sociais e você verá as tendências de consumo antes que elas se materializem. Você pode até mesmo ajudá-los a se manifestar.
  • Entre no trem das tendências o quanto antes: por falar em tendências – se você notar uma tendência de produto atraente, embarque nela logo. Quanto mais cedo você segue para um mercado emergente, maior a probabilidade de ser visto como uma parte original da indústria. Marcas “autênticas” obtêm uma fatia maior do bolo da indústria.

Com sorte, você terá uma lista de produtos ou serviços quando terminar o brainstorming. Se sim, tente identificar os principais concorrentes de cada produto. Se você se encontrar no meio de um campo superlotado, passe para a próxima ideia – e a próxima – até encontrar um nicho menos apertado. Em seguida, decida com qual produto você deseja.

2. Escolha seu modelo de negócio de comércio eletrônico.

Você sabe o que quer vender – agora você precisa descobrir onde vender. Existem quatro modelos de negócios principais no comércio eletrônico: empresa para consumidor, empresa para empresa, consumidor para empresa e consumidor para consumidor. Vejamos cada classificação de perto:

Business to Business (B2B)

As empresas de comércio eletrônico B2B vendem produtos para outras empresas. Ocasionalmente, o comprador comercial também é o usuário final (papelaria, tecnologia de escritório ou móveis). A maioria das transações B2B, entretanto, gira em torno de estoque, componentes ou matérias-primas no atacado.

De modo geral, os empreendimentos de comércio eletrônico B2B têm ciclos de vendas mais longos. Os negócios de alto risco podem levar meses porque as vendas complexas geralmente exigem a aprovação do comitê. Em troca de paciência e diplomacia, você recebe pedidos de alto valor e compras recorrentes.

Business to Consumer (B2C)

Simplificando, B2C é o comércio eletrônico de varejo tradicional. Seus clientes são pessoas normais e você vende produtos ou serviços a preços de varejo. Algumas empresas B2C vendem produtos físicos, enquanto outras vendem software de computador ou aplicativos para smartphones. Ainda assim, outros vendem vários tipos de assinaturas recorrentes.

O comércio eletrônico B2C tem um ciclo de vendas curto porque as apostas não são tão altas. A maioria das transações envolve um consumidor em vez de toda a diretoria executiva. As empresas B2C geralmente têm valores médios de pedido mais baixos do que as empresas B2B, mas realizam um número maior de vendas.

Consumidor para Empresa (C2B)

C2B é um pouco obscuro, mas é um modelo de negócios genuíno. Em uma situação de consumidor para empresa, os consumidores vendem bens e serviços diretamente para as empresas. Você pode ver esse modelo de negócio em funcionamento em sites de freelancer, onde as empresas contratam trabalhadores autônomos para concluir vários projetos.

Consumidor para Consumidor (C2C)

As empresas C2C conectam consumidores a outros consumidores. Eles cobram taxas de assinantes, taxas de listagem ou taxas de transação quando as pessoas vendem produtos ou serviços para outras pessoas. Os exemplos incluem empresas de leilão, como eBay, e sites de classificados online, como Mercado Livre e OLX.

Os modelos de negócios definem a estrutura da sua empresa; modelos de receita de negócios trazem o bacon para casa. Também conhecidos como métodos de entrega de valor, os modelos de receita de negócios determinam sua abordagem para o gerenciamento de estoque. Aqui estão outras opções populares:

Direto ao consumidor (D2C)

As marcas diretas ao consumidor vendem produtos aos consumidores sem passar por um intermediário. Alguns deles fabricam seus produtos, enquanto outros criam uma cadeia de suprimentos e terceirizam o processo de produção. As empresas D2C maximizam as margens de lucro recusando-se a vender produtos no atacado.

Como se comunicam e vendem diretamente aos consumidores, as empresas D2C mantêm muito controle sobre a experiência do cliente (CX). Como resultado, eles tendem a crescer rapidamente e construir bases de fãs leais .

Dropshipping

Dropshipping é um modelo de negócio de comércio eletrônico interessante: você vende uma seleção de produtos em seu site como um varejista, enquanto seu fornecedor de dropshipping gerencia o processo de envio e atendimento do pedido. Embora não dê a você tanto controle sobre sua marca e atendimento ao cliente, é uma boa maneira de testar novas ideias de produtos enquanto corta os custos de envio e o dinheiro gasto no armazenamento de estoque.

Serviços de assinatura

Os serviços de assinatura transformam clientes ocasionais em clientes recorrentes, oferecendo preços especiais em pedidos recorrentes: o recurso Assinar e Salvar da Amazon é um exemplo, e o serviço mensal de entrega de vinho do Wine Club é outro. Muitas empresas combinam serviços de assinatura com outros modelos de receita de negócios.

Comércio por atacado

Os atacadistas vendem grandes quantidades de mercadorias para outras empresas a preços inferiores aos de varejo. Seus clientes revendem esses produtos ou os usam para criar produtos finais ou fornecer serviços de varejo. Se você escolher um modelo de negócio de atacado, considere segmentar sua base de consumidores-alvo em grandes e pequenas empresas.

Marca Branca e Marca Própria

A etiqueta branca e a etiqueta privada parecem semelhantes, mas na verdade são modelos de negócios bem diferentes. Em um modelo de negócios com etiqueta em branco, você aplica seu logotipo a produtos genéricos de um distribuidor. Em um modelo de negócio de marca própria, você contrata um fabricante para criar um produto exclusivamente para você. Ambos os métodos economizam tempo, mas a etiqueta privada é mais cara do que a etiqueta branca. De qualquer forma, você gasta mais energia em marketing e novas tecnologias do que em design e produção.

3. Valide sua ideia de produto e se concentre em seu mercado-alvo.

Nesse estágio, é vital realizar uma pesquisa de mercado para garantir que você tenha uma ideia sólida para o produto. Você também precisará criar uma ou mais buyer personas, o que o ajudará a construir estratégias de marketing focadas no laser posteriormente. A pesquisa de mercado não é tão difícil de realizar quanto você pode pensar, e buyer personas são muito divertidas de criar. Vamos mergulhar de cabeça.

Pesquisa de mercado

Pesquisa de mercado parece algo que você precisa contratar uma empresa especializada para realizar. Você pode, se quiser – mas não é muito difícil reunir informações internamente. Você só precisa de uma estratégia e das ferramentas certas. Aqui estão três das maneiras mais eficazes de descobrir mais sobre sua base de consumidores:

Realizar pesquisas de opinião

As pesquisas usam perguntas à moda antiga para coletar informações dos consumidores. Uma das maneiras mais rápidas de criar uma lista de e-mail é por meio da mídia social: basta configurar uma página para o seu novo negócio e oferecer incentivos às pessoas que responderão à sua pesquisa (10% de desconto em uma compra futura ou entrada em um sorteio). Anúncios pagos de mídia social podem ajudá-lo a atingir um público específico e direcionar o tráfego para sua página.

Pergunte a si mesmo que tipo de informação você precisa dos consumidores e elabore suas perguntas de acordo.

Aqui estão alguns tópicos demográficos para você começar:

  • Estado civil
  • Número de filhos
  • Era
  • Gênero
  • País de residência
  • Renda familiar
  • Status educacional

Não se esqueça de coletar dados psicográficos também. Os psicográficos fornecem informações sobre por que os consumidores tomam decisões. São as informações sobre as atitudes, crenças e valores de uma pessoa que o ajudam a entender como ela vê o mundo.

Você pode incluir perguntas da pesquisa psicográfica sobre:

  • Gostos musicais
  • Escolhas de estilo de vida
  • Aspirações e objetivos de vida
  • Valores de família
  • Metas de aposentadoria

Faça perguntas pontuais sobre sua ideia de negócio e pergunte aos participantes se eles fariam alterações em seus produtos ou serviços.

Consumidores de entrevista

Se possível, organize entrevistas por telefone ou Zoom com alguns dos participantes da pesquisa. As entrevistas individuais podem ajudá-lo a responder a perguntas específicas com mais detalhes. Não deixe de fora participantes que soam negativos, pois eles podem fornecer um feedback valioso que tornará seu negócio melhor.

Envie aos entrevistados por e-mail uma lista de quatro ou cinco perguntas alguns dias antes de falar com eles. Eles fornecerão respostas melhores se você lhes der tempo para pensar, em vez de colocá-los na berlinda. Certifique-se de fazer tantas anotações quanto possível durante cada conversa.

Criar grupos de foco

Os grupos focais podem ser complicados, mas geralmente geram boas ideias. Se você tem boas habilidades pessoais e deseja reunir vários consumidores de seu grupo-alvo para uma sessão de brainstorming, vá em frente. Você pode fazer isso pessoalmente ou por meio de um aplicativo de chat de vídeo, como Zoom ou Skype.

Evitando viés de dominância: Personagens dominantes tendem a desequilibrar os grupos de foco, levando a ideias distorcidas, então inclua um moderador imparcial e diplomático na conversa.

Criar Personas de Comprador

Você coletou informações por meio de pesquisas, entrevistas e um grupo de foco. Agora é hora de reunir todos esses dados em uma pessoa “real” – ou pessoas. As personas do comprador tornam o marketing mais fácil porque fornecem os “clientes dos sonhos” nos quais se concentrar.

Para começar a construir uma buyer persona:

  • Dê a cada perfil um apelido – “Pedro, o banqueiro” ou “Lucia, a designer de interiores”, por exemplo.
  • Anexe uma fotografia para tornar sua pessoa mais identificável.
  • Adicione um conjunto de dados demográficos a cada perfil.
  • Enriqueça cada persona com boatos psicográficos.

Vamos fingir que você vende uma variedade de produtos externos sob medida – equipamentos de acampamento, tendas americanas inovadoras e assim por diante.

Você pode tornar sua buyer persona (ou personas) tão simples ou complexa quanto desejar – mas mantenha-as relevantes e táticas.

4. Crie sua estrutura de negócios e cadastre sua empresa.

Para começar a sério, você precisa escolher uma estrutura de negócios e registrar sua empresa. 

Identificando Sua Empresa

A marca visual é um tópico complexo digno de seu próprio artigo de 2.000 palavras, mas vamos examiná-lo resumidamente aqui. Para tornar sua empresa memorável e criar consciência de marca, você precisa criar um logotipo e cores de marca complementares que permaneçam iguais em todos os seus canais de vendas.

Você mesmo pode criar um logotipo ou usar um designer freelance para obter um resultado profissional.

Em qualquer caso, considere o seguinte ao promover a marca de sua empresa:

  • Relevância: Seu logotipo deve ter um propósito; deve informar instantaneamente aos clientes o que sua marca oferece.
  • Simplicidade: não seja muito inteligente ou complexo – os clientes precisam ser capazes de se lembrar do seu logotipo.
  • Versatilidade: você precisa de um logotipo para usar em seu site ou em um outdoor. Tem que ser escalonado para cima e para baixo sem perder integridade ou significado.
  • Exclusividade: seu logotipo deve ser exclusivo o suficiente para que os consumidores o associem ao seu negócio.

Os melhores logotipos do mundo são inconfundíveis, mesmo quando você remove todo o texto periférico; até mesmo as crianças reconhecem os Arcos Dourados do McDonald’s – às vezes a 800 metros de distância.

Assim que tiver um logotipo com o qual esteja satisfeito, use suas cores para influenciar o resto de sua marca visual, incluindo o design do site, materiais de embalagem, e-mails de marketing e anúncios.

5. Como obter e fabricar produtos para sua loja de comércio eletrônico.

É hora de ser um pouco mais específico sobre os métodos de sourcing de produtos sobre os quais escrevemos na seção de modelos de negócios. Existem três maneiras principais de obter produtos: produção DIY, atacadista ou fabricante e dropshipping. Muitos varejistas online combinam métodos para alcançar um fluxo de renda equilibrado.

Produtos ou serviços DIY

As pessoas fabricam e vendem produtos há milhares de anos. Os comerciantes neolíticos tiveram que viajar por terra para vender contas, cerâmica e esculturas; hoje em dia, você pode vender itens artesanais globalmente pela internet.

Os custos iniciais de um faça você mesmo tendem a ser baixos, mas você dedica muito do seu próprio tempo para compensar. Por outro lado, você tem controle total sobre o processo de produção e a experiência do usuário e pode ajustar os designs no local se os produtos não tiverem um desempenho ideal.

Conforme você dimensiona seu negócio, pode decidir formar uma aliança com uma empresa de manufatura para criar produtos em massa.

Se você escolher a rota DIY, lembre-se de:

  • Organize uma cadeia de suprimentos confiável para os materiais de origem.
  • Determine as opções de envio com antecedência; você vai contratar um remetente ou enviar os itens você mesmo?
  • Descubra seu cronograma de produção.
  • Pense em onde você armazenará seu inventário.

Atacadista ou fabricante

Se você estiver pronto para fabricar e enviar produtos em uma escala maior, considere usar um atacadista ou fabricante como fonte do produto. Vejamos as duas opções com um pouco mais de detalhes:

Atacadistas

Os atacadistas vendem produtos de marca a granel. Eles também vendem produtos de marca branca a granel. Você aplica sua marca e revende mercadorias genéricas para seus clientes.

Se você preferir se concentrar no marketing e na expansão do seu negócio, em vez do desenvolvimento de produtos, pode economizar tempo e dinheiro com um atacadista.

Fabricante

Se você tem um protótipo de produto ou deseja expandir seu negócio de bricolagem, pode fazer parceria com um fabricante. As empresas de produção nos Estados Unidos e no exterior criam produtos de marca própria a granel para seus clientes.

Alguns fabricantes ajudam os empresários a criar novos produtos e a gerenciar o processo de desenvolvimento do início ao fim.

Se você decidir trabalhar com um atacadista ou fabricante, considere o seguinte:

  • Leia as referências da empresa. Se o fabricante estiver baseado nos EUA ou Canadá, verifique a classificação do Better Business Bureau e quaisquer avaliações associadas.
  • Obtenha uma estimativa de custo de produção.
  • Pergunte sobre as quantidades mínimas de pedido.
  • Obtenha uma estimativa de tempo de fabricação.
  • Reveja as opções de frete a granel.
  • Examine os contratos com cuidado.
  • Informe-se sobre garantias e suporte pós-venda.

Dropshipping

Se você não tem uma ideia única para o produto e prefere não trabalhar com um fabricante ou armazenar mercadorias a granel, o dropshipping pode ser sua melhor solução de abastecimento de produtos.

Quando você faz parceria com um fornecedor de dropshipping, você se torna um distribuidor de varejo. Você lista as mercadorias do atacadista em seu site, e o fornecedor cria produtos e envia pedidos em seu nome.

Dropshipping tem uma margem de lucro menor do que a revenda de marca branca ou marca própria, mas é um modelo de negócios rápido e fácil. Algumas empresas combinam dropshipping com DIY. Por exemplo, um artista que vende e envia pinturas exclusivas de casa também pode vender reproduções e canecas de marca por meio de um dropshipper.

6. Crie seu plano de negócios de comércio eletrônico.

Reserve um tempo para pensar no futuro antes de mergulhar no fundo do poço. Aproximadamente 50% dos novos negócios falham em cinco anos, geralmente porque não planejam com antecedência.

Escrever um plano de negócios pode fornecer uma compreensão mais profunda de sua oferta exclusiva e ajudá-lo a:

  • Encontre os recursos de que você precisa para administrar seu negócio.
  • Descubra o que seus concorrentes estão fazendo.
  • Identifique oportunidades no mercado.
  • Identifique seu mercado-alvo.
  • Visualize o futuro da sua empresa.

Os planos de negócios geralmente têm pelo menos sete seções. Você pode usar o seguinte esquema para criar sua própria estratégia:

Sumário executivo

Um resumo executivo condensa sua ideia de negócio em alguns parágrafos. Ele está na frente de seu plano de negócios e informa aos leitores sobre:

  • O que sua empresa faz.
  • Seus objetivos de negócios.
  • Os produtos ou serviços que você vende.
  • Seu mercado-alvo.
  • Seus canais de vendas.
  • Sua estratégia de monetização.

É quase certo que você escreverá seu sumário executivo por último. Isso lhe dará a chance de digerir todas as outras partes de seu plano de negócios antes de fornecer uma recapitulação.

Visão Geral da Empresa

É aqui que você fornece aos leitores uma visão geral realmente completa da empresa. Esta seção começa com o nome da empresa antes de passar para a estrutura de negócios e nome de domínio.

Depois disso, você escreverá uma breve declaração de missão e, em seguida, esclarecerá sua visão para a empresa. Escreva algumas informações básicas sobre sua ideia de negócio e proposta de valor exclusiva e, em seguida, finalize com uma lista dos principais concorrentes.

Análise de mercado

Você pode mostrar o que sabe sobre sua base de consumidores-alvo na seção de análise de mercado. Muitos proprietários de empresas começam com os resultados de uma análise de pontos fortes, fracos, oportunidades e ameaças. Em seguida, eles passam para a análise competitiva.

As análises competitivas ajudam a entender seus concorrentes para que você possa ganhar terreno no mercado.

Eles fazem isso identificando e listando os itens de cada concorrente:

  • Nome de domínio e quantidade de tráfego do site.
  • Modelo de negócios e recursos do produto.
  • Estratégia de preços do produto.
  • Declaração de missão e visão.

Esta seção termina com um parágrafo detalhando como você pretende tornar sua empresa uma líder do setor.

Você pode fazer isso de três maneiras principais:

  • Segmentação de clientes: você oferecerá produtos de alta qualidade em um nicho de mercado de tendência.
  • Liderança de custos: seus produtos são mais baratos do que os oferecidos por seus concorrentes.
  • Diferenciação: você oferece um produto exclusivo ou uma versão muito melhor do produto de um concorrente.

Produtos e serviços

É aqui que você entra em detalhes sobre seu produto ou serviço. Diga a seus leitores mais sobre as mercadorias que você vende ou o serviço que oferece; se você vende muitos produtos diferentes, escreva em termos gerais sobre seu estoque e por que sua empresa se destaca de seus pares do setor.

Plano de marketing

Nesta seção, você contará aos leitores sobre suas estratégias de marketing. O segmento começa com uma análise de seu orçamento de marketing e continua com uma lista dos canais de marketing que você pretende usar para promover seu negócio. Os canais de marketing se enquadram em duas categorias principais:

  • Canais de marketing orgânico: táticas de otimização de mecanismos de pesquisa (SEO), marketing de conteúdo, páginas de mídia social e redes de blogueiros direcionam o tráfego orgânico para seu site. Os canais de marketing orgânico são baratos, agregam valor ao longo do tempo e ajudam a elevar o nome da sua marca.
  • Canais de marketing pago : os canais de marketing pago obtêm resultados rapidamente, o que os torna uma escolha atraente para empresas que buscam decolar. Anúncios de pagamento por clique (PPC), anúncios de mídia social, marketing de influenciadores e marketing de afiliados custam dinheiro, mas produzem leads sólidos.

Plano de Operações e Logística

Seu plano de operações e logística cobre tudo que você precisa para administrar fisicamente sua empresa. Espaço para escritórios, necessidades tecnológicas, pessoal e necessidades de armazenamento se enquadram nesta categoria.

Não se esqueça de incluir detalhes sobre:

  • Sua cadeia de suprimentos.
  • Seu plano de produção.
  • Opções de envio e atendimento.
  • Onde você armazenará o inventário.

Esta parte do seu plano de negócios ajuda os investidores a entender as despesas diárias associadas ao seu negócio de comércio eletrônico.

Plano financeiro

Você precisará de capital para manter seu negócio de comércio eletrônico em funcionamento. Se você não tiver custos iniciais em mãos, precisará de investidores ou de um empréstimo bancário para começar a negociar. Você precisa convencer os financiadores e credores em potencial de que você pode lidar com dinheiro e que tornará seu negócio lucrativo.

A maioria dos planos financeiros inclui:

  • Uma declaração de renda: uma análise de todas as fontes de receita e todas as suas despesas em um determinado período de tempo.
  • Um balanço: uma lista dupla de todos os seus ativos e passivos, culminando no patrimônio líquido.
  • Uma declaração de fluxo de caixa: Uma declaração de receitas e despesas em tempo real, indicando quando o dinheiro entra e quando sai.

Com o plano de negócios certo em mãos, você achará muito mais fácil encontrar investidores e convencer seu banco a aprovar empréstimos comerciais vitais.

7. Construa sua loja de comércio eletrônico.

Você validou suas ideias de produto, registrou sua empresa e escreveu um plano de negócios – agora é finalmente hora de criar seu site. A maioria dos varejistas e atacadistas online escolhe as plataformas de vendas como serviço (SaaS) porque são simples de usar e oferecem ferramentas de criação de sites e plataformas de comércio eletrônico .

Existem muitos provedores de SaaS – e alguns são melhores do que outros. Antes de escolher um, comece com uma avaliação gratuita para testar seus recursos.

Lembre-se de procurar os seguintes recursos ao decidir sobre sua plataforma de comércio eletrônico:

  • Hospedagem de nomes de domínio.
  • Excelente velocidade e tempo de atividade.
  • Um ótimo construtor de sites no produto.
  • Temas gratuitos e fáceis de usar.
  • Design de site responsivo .
  • Uma extensa app store cheia de plug-ins confiáveis.
  • Conformidade total com PCI.
  • Built-in ferramentas de SEO e URLs totalmente personalizáveis.
  • Promoções, descontos, análises e outros recursos de marketing de comércio eletrônico .
  • Suporte ao cliente por telefone, e-mail e chat ao vivo .
  • Um catálogo de produtos ilimitado.
  • Zero taxas de transação e baixas taxas de processamento de cartão de crédito.

Wix

comércio eletrônico

Muito popular entre as pequenas empresas, o Wix tem uma boa variedade de modelos cuidadosamente projetados, ferramentas de SEO, editor WYSIWYG fácil de usar, além de uma série de opções de promoção e vale-presente. A configuração do site é muito fácil e você pode construir um site em menos de uma hora.

O Wix vem com uma ferramenta de criação de loja integrada, e você pode usar suas galerias de produtos integradas para organizar mercadorias ou serviços de uma maneira atraente. Outros recursos, como check-out seguro, suporte ao cliente 24 horas por dia, 7 dias por semana e vários gateways de pagamento tornam o Wix uma boa escolha para empresas com um catálogo de produtos limitado.

Shopify

Shopify é um gigante do comércio eletrônico. No geral, eles funcionam melhor para lojas dropshipping porque as integrações e a configuração da loja são rápidas e fáceis. Um nome de longa data no comércio eletrônico, o Shopify foi lançado em 2004 e se tornou um provedor de SaaS de destaque muito rapidamente. As vantagens da plataforma incluem recuperação de carrinho abandonado, SSL de site gratuito, ferramentas de marketing e atendimento ao cliente decente.

O Shopify tem algumas desvantagens. Para começar, você está limitado a 100 variantes de produtos, portanto, se você tiver um grande catálogo com várias opções de produtos (tamanho, material, cor, etc.), o Shopify pode não ser o certo para você.

SEO também é uma pequena deficiência. Você não pode criar sua própria estrutura de URL personalizada e é forçado a usar o formato Shopify.

No geral, eles são uma ferramenta de site de comércio eletrônico excelente e fácil de usar, ideal para pequenos vendedores e dropshippers.

8. Direcionar tráfego para sua loja online.

O lançamento de um site de comércio eletrônico é fácil. O desafio surge quando você precisa direcionar o tráfego para ele. Abordaremos táticas de marketing digital pagas e gratuitas para aumentar o tráfego do seu site – e as vendas.

Canais de marketing orgânico

Canais de marketing orgânico levam tempo para construir tração, mas criam o retorno sobre o investimento (ROI) de longo prazo mais forte. Algumas das melhores táticas incluem:

  • Otimização do mecanismo de pesquisa (SEO): palavras-chave relevantes incluídas no texto da página, descrições de produtos e outros conteúdos do site aumentam as classificações dos mecanismos de pesquisa.
  • Marketing de conteúdo: inclui iniciar um blog em seu site, otimizando postagens de blog, artigos, para direcionar o tráfego direcionado a seu site.
  • Páginas de mídia social: páginas ativas do Facebook, Instagram e Twitter incentivam novas visitas ao site.
  • Criação de links (SEO fora da página): é muito difícil obter tráfego do Google sem muitos links relevantes de alta qualidade para o seu site. Essas estratégias de construção de links incluem guest blogging e formação de parcerias de links com outros sites em seu nicho.
  • Marketing por email: o email é um grande canal de marketing para empresas de comércio eletrônico. Você deve escolher um serviço de marketing por e-mail que permite criar pop-ups de e-mail, enviar e-mails de carrinhos abandonados, criar séries de e-mails de boas-vindas (que incluem descontos) e enviar e-mails de marketing direcionados e ricos em imagens para promoções de feriados.

Canais de marketing pagos

Os canais de marketing pagos produzem resultados rápidos, por isso são uma escolha popular tanto para empresas iniciantes quanto para empresas de grande orçamento. Embora forneçam ganhos rápidos de marketing online, eles normalmente têm um ROI mais baixo do que as táticas gratuitas (excluindo o marketing de afiliados, que tem um ROI forte).

Aqui estão alguns dos principais canais de aquisição pagos para marcas de comércio eletrônico:

  • Marketing de afiliados: blogueiros e influenciadores com sites populares ingressam no programa de afiliados de sua empresa e recebem comissões de afiliados por todas as vendas que ajudam a gerar por meio de seus links de afiliados .
  • Marketing de influenciadores: influenciadores de mídia social no Instagram, Facebook, TikTok e outras plataformas promovem seus produtos por uma taxa.
  • Publicidade paga por clique (PPC): você configura anúncios PPC com o Google e paga cada vez que alguém clica em seus anúncios. Isso também pode incluir anúncios do Google Shopping, que sincronizam com seu catálogo de produtos e disponibilizam seus produtos na plataforma do Google Shopping.
  • Anúncios de mídia social: anúncios de mídia social pagos no Facebook podem direcionar novos clientes em potencial e redirecionar os visitantes anteriores do site. Uma das melhores estratégias de anúncios do Facebook é usar seus anúncios DPA. Esses anúncios são exibidos para usuários do Facebook que visitaram suas páginas de produtos e destacam exatamente os mesmos produtos que viram em seu site. Você também pode vender diretamente no Facebook com listas de produtos.

As estratégias de marketing mais eficazes usam uma combinação de diferentes canais para capturar consumidores e gerar conversões.

Se eu fosse começar um negócio de comércio eletrônico do zero hoje, primeiro criaria uma estratégia de SEO forte. Isso inclui a realização de pesquisas de palavras-chave em torno de termos que têm alto volume de pesquisa e podem atrair seu público-alvo.

Por exemplo, se você vende suprimentos para camping, pode escrever uma postagem no blog sobre “As 10 melhores barracas de mochila” e criar um link para as páginas de seus produtos no conteúdo.

Em seguida, você deseja desenvolver uma estratégia de construção de links forte e fazer parceria com outros blogs em seu nicho para obter backlinks. Isso aumentará a Autoridade de Domínio (DA) do seu site e tornará mais fácil classificar todas as suas páginas nos mecanismos de pesquisa.

Finalmente, eu usaria a publicidade paga com cuidado, começando com os anúncios de retargeting no Facebook. Então, eu mudaria para os anúncios PPC no Google apenas se você pudesse gerar um ROI forte.

comércio eletrônico

9. Medir o sucesso do comércio eletrônico.

Ferramentas de análise de comércio eletrônico, como o Google Analytics, ajudam a entender como os visitantes chegam ao seu site e o que fazem quando chegam lá. Em última análise, eles também fornecem informações sobre suas taxas de conversão e vendas.

Você pode usar os dados que obtém da análise para otimizar as descrições dos produtos e o conteúdo da página para que mais visitantes se tornem clientes.

A integração do BigCommerce com o Google Analytics oferece suporte ao comércio eletrônico avançado e à pesquisa de sites, o que permite que você avalie visualizações de páginas e termos de pesquisa individuais.

Você pode visualizar análises no Google Analytics (tráfego do site), no Facebook Insights e no seu provedor de e-mail.

Aqui estão algumas métricas e indicadores-chave de desempenho (KPIs) para prestar atenção:

  • Sessões: o número de vezes que as pessoas veem seu conteúdo da web.
  • Alcance: o número total de pessoas que viram um de seus anúncios.
  • Cliques de email: quantos destinatários abrem seus emails e clicam nos links incluídos.
  • Engajamento na mídia social: quantos curtidas, compartilhamentos, comentários e cliques você recebe em cada postagem que cria.
  • Abandono do carrinho de compras e checkout: quantas pessoas adicionam produtos aos carrinhos, mas saem do site sem iniciar – ou concluir – o processo de checkout.
  • Valor médio do pedido (AOV): o valor total médio de um pedido em seu site.

No geral, você precisa visualizar e agir com base nessas informações para gerar mais vendas.

Conclusão

É preciso determinação e dedicação para criar uma loja de comércio eletrônico de sucesso. Você também precisa de um ótimo produto em um nicho em crescimento, um plano de negócios estelar, a plataforma de comércio eletrônico certa e uma estratégia de marketing bem pesquisada .

Isso pode parecer muito trabalho – e é – mas se você dividir as metas em tarefas gerenciáveis, criará um negócio de comércio eletrônico do qual pode se orgulhar.

Leave a Comment